quarta-feira, 15 de dezembro de 2010

Precisar ou querer? A escolha é sua!

 Foto: do Google Image


O mundo tem conspirado pra esse post sair! Incrível como esse mês os assuntos do coração estão presentes na minha vida. É na conversa com uma amiga aqui outra ali, num assunto de família, num banner que pula na tela do computador, num post de um blog querido, no livro de cabeceira, no filme de ontem a noite... Gente, precisava escrever, se não ia acabar pirando!

Então, primeiro deixa eu explicar, aqui falo do relacionamento homem/mulher com a visão feminina dos fatos (clarooooo!), mas acho que pode servir tanto para relações hetero quanto homo, e também pode ser democrático e servir para a visão masculina, ok?

Com essa premissa, começo a contar que um dia eu estava conversando com uma amiga amorosamente desesperada e não correspondida. A bendita tá apaixonada já tem dois anos (!). A correspondência existiu um dia, a gente (eu e ela) acha. Mas foi rápido, logo a fase de ser “ignorada” começou. E-mails gigantes sem resposta, mensagens de celular sem “text replay”, ligações não atendidas, encontros frustrados. O pior é que ela estava desesperada!!! Sem saber o que fazer, se iludindo, afundando e se sentindo na m@%&*da.

Eu sou o tipo de amiga durona, confesso, mas, poxa, só quero o bem das pessoas, entende? Thankx God, a amiga em questão me conhece e me interpretou bem, me entendeu, sabe?

Parti do princípio que ela parecia não ter vida sem o objeto amoroso. A impressão que tinha, quando a escutava, era que sem o love, ela não conseguia viver. Que PRE-CI-SA-VA da pessoa, entende?

Precisar é uma palavra muito forte. Eu preciso do ar pra respirar, se não morro. Preciso de água, se não morro também, preciso de comida (porque ainda não aprendi aquela técnica de se alimentar da luz solar = ). Enfim, na minha humilde opinião, eu só preciso daquilo que é fundamental e essencial pra viver. O resto eu não preciso, quero!

Com esse raciocínio, contei pra ela que um dia, quando ainda namorava o Diego, hoje meu marido, senti que a gente tava precisando um do outro de uma maneira que não era saudável. A vida dele não existia sem mim e a minha ficava capenga sem ele, sabe? Foi aí que terminamos por um tempo.

Nesse período fui descobrir quem era a Carla, do que ela gostava, do que ela não gostava, o que a deixava feliz, do que ela tinha medo... Enfim, parti para uma viagem de auto-conhecimento. O Diego, no caminho dele, também foi se conhecer.

Quando a gente resolveu se reencontrar, Diego era outra pessoa, seguro de si, cheio de amigos, confiante, ele já não precisava de mim. Eu, por outro lado, descobri tantas coisas surpreendentes sobre mim (engraçado, mas foi nessa época que comecei a me maquiar, comprar roupas e sapatos), consegui ver o valor que eu tinha, entendi que era uma pessoa inteligente e cheia de energia = ) Eu também não precisava do Diego.

Entende que a gente não precisava um do outro? Mas então o que nos fez ficar juntos? Nós ES-CO-LHE-MOS isso. Eu, livre, indepedente. Ele, lindo, cheio de vida, aproveitando tudo que podia. Pronto, nós nos tornamos duas pilastras que optamos por nos juntar. E ainda hoje tenho o maior orgulho de dizer que continuamos assim, a ESCOLHA de ficar junto é diária. Eu não preciso do Di e muito menos ele precisa de mim, mas QUERO ficar com ele. (quero, quero e quero muito! Porque ele é especial e eu o amo tons!)

Por que considero isso tão importante? Porque ninguém no mundo quer ter um parasita grudado em si. Sabe aquele tipo de relacionamento que a mulher ou o homem é tão dependente que se o relacionamento acaba, acaba o mundo pra ela/e? Pois bem, alguém aí acha isso saudável?

Não estou dizendo que a gente tem que ser estilo coração de pedra, mas a gente tem sim (ok, na minha forte opinião), que se conhecer e se dar o devido valor. Tem que se amar em primeiro lugar. Se você não se ama, como pode dar amor para alguém?

É isso aí, pra concluir, esse post todo é um ode à auto-estima, ao auto-conhecimento, ao amor próprio, ao valor que cada cada pessoa tem! É isso aí, que em 2011 a gente se ame mais, se dê mais presentinhos lindos e fofos e espalhe a alegria interior pelo mundo todo!

Obrigada por ler tudo e chegar até aqui = )
(espero que não tenha feito leitura dinâmica, hehe!)

Pode parecer, mas esse post não é o último do ano não, tá?!

Ainda tem chão pra chegar lá!

BeijoCAs e ótima quarta-feira pra gente!

17 comentários:

Karla disse...

sen-sa-ci-o-nal!
adoro seus texto!

Carla Vila Verde disse...

Karlinha, arrancou-me vários sorrisos com o seu sen-sa-ci-o-nal!
Muito bom ter vc por aqui = )
BeijoCAs

Poly disse...

Incrível Carla... tirando a parte do comecinho, parece q vc escreveu p mim! rsrsr
Tenho andado meio tristinha com o fim do meu namoro.. Parece q td fica sem graçaaa...
Enfim, acho que vc está certa em td q escreveu! E me deu um baita estímulo pra dar a volta em td isso!
Ahhh Obrigada pelos belos posts aqui no blog e pela atenção no twitter! Já sinto como se fosse uma grande amiga minha! =)
Bjoks!

Carla Vila Verde disse...

Poly, queridaaaaa!!!! Força na peruca = ) É isso mesmo, tem que dar a volta por cima, se valorizar, se amar! Tô aqui para o que precisar, ok? Pode contar!
Obrigada você por passar aqui sempre. O twitter é mágico, né, não?! Acho o máximo como aproxima pessoas!
Pois saiba que tb tenho a impressão de que somos amigas há tempos = )
Beijos

Pagina da Kika.blogspot.com disse...

Vi seu comentário numa postagem antiga do blog De Chanel da Lage.
Falavam de um certo perfil que a maioria dos blogs têm.
Você citou o seu como sendo diferente e vim conferir... adorei!
Parabéns!

Beijos,

kika

Carla Vila Verde disse...

Kika, sem palavras! E olha que não é fácil me deixar sem saber o que dizer, hein?! = )
Muito bom saber que gostou do blog! Muito, muito, mesmo!
Obrigada pela visita e volte sempre!
BeijoCAs

Vitor Bustamante disse...

Muito bom, Carla!! Adorei ler seu texto. Pode investir nesse negócio de escrever! =)

Carla Vila Verde disse...

Vitor, sabe que sua opinião importa muito, né?! Vc é um cara que entende do assunto!
Pode deixar que vou investir nesse negócio de escrever. Gosto disso! = )
Beijos

Narda disse...

Carlinha,
Realmente é um exercicio se conhecer a fundo e também as suas escolhas e limites. É um aprendizado!
Que bom que vcs perceberam isso e puderam se reencontrar de uma forma tão mais madura.
Eu tive um relacionamento assim (antes do meu atual marido), tipo o q a sua amiga tem/tinha... meio doentia sabe?
Custou pra eu perceber, mas qnd percebi foi de vez!
E se não fosse por essa "wake up call" eu não teria me curtido tanto e, nesse meio-tempo, conhecido o meu marido!
Amei o post.
Bjs

Carla Vila Verde disse...

Narda, acho que com quase todo mundo é assim mesmo, demora um pouco pra acordar, mas quando acontece, é pra sempre! Tão bom se dar conta e poder mudar a posição, né?!
Que muitas outras pessoas também acordem pra essa vida maravilhosa!
BeijoCAs

iiah. disse...

Nossa, lendo isso parece que um filme passou na minha cabeça de coisas que já aconteceram.
Arrasou no post.

Beijos!
http://www.pradaporter.blogspot.com
@pradaporter

(leio sempre por aqui, se não for tão chato, passe lá no meu, talvez goste :D)

Luiza do Valle disse...

Passei por aqui hoje e já virei sua fã.
Você disse tudo, Menina!
Bjos,
Luiza

Grazi disse...

AI Carlinha, confesso que passou um filminho em minha cabeça tb. Já passamos por essa fase de um precisar do outro, hoje no entanto somos mais maduros e decidimos querer um ao outro quando resolvemos nos casar. Foi a melhor decisão de nossas vidas, porque com o dia a dia do casamento amadurecemos cada vez mais. Relacionamentos por si só são complicados, por isso o amadurecimento de ambas as partes é fundamental. Belíssimo texto!

Pat disse...

De todos os blogs que visitei esse ano,esse foi sem dúvida,um dos melhores posts que li em 2010.

Abraço.

Carla Vila Verde disse...

Iiah, obrigada, querida! E que essas coisas fiquem longe de acontecer com a gente de novo!

Luiza, tão bom perceber que o blog serve pra alguma coisa! Obrigada pelo carinho .

Poly, linda! Obrigada por estar sempre por aqui. Obrigada pelo e-mail lindo que me mandou! Obrigada por ter se tornadao uma amiga!

Pat, que em 2011 esse blog tenha muitos outros posts bons!!! Obrigada pela visita!

Dayana disse...

ADORO essa historia!!

Carol disse...

oiee, só hj vi esse post rs.. bom pq hj posso dizer q essa "fase do tempo" faz, ou melhor, esta fazendo rs toda a diferença! poderia ter sido antes? talvez não, pq tdo tem sua hora! e... vamos em frente, sempre! :)

ps: vamos deixar claro que essa "fase" nao é p ser vivida a todo tempo kk... e sim em um momento especial, pq é mais q uma fase, é aprendizado!